quinta-feira, dezembro 08, 2022

Truman & Tennessee: Uma Conversa Pessoal, documentário de Lisa Immordino Vreeland

 


O trabalho brilhante, as lutas pessoais e o impacto cultural dos escritores norte-americanos Truman Capote (1924-1984) e Tennessee Williams (1911-1983) por meio de uma colagem de material de arquivo, incluindo aparições em talk shows e trechos das adaptações cinematográficas mais memoráveis da dupla: Uma Rua Chamada Desejo, Gata em Teto de Zinco Quente, À Margem da Vida, Bonequinha de Luxo e A Sangue Frio. Com vozes dos atores Jim Parsons e Zachary Quinto, o filme mostra a amizade frequentemente turbulenta dos dois homens e a maneira como suas identidades, enquanto sulistas e gays, influenciaram suas criações artísticas e seus relacionamentos.




Truman & Tennessee: Uma Conversa Pessoal

EUA | 2020 | 86 min | Documentário | Livre

 

Direção: Lisa Immordino Vreeland




[O SESC tem este projeto sensacional de disponibilizar no SESC DIGITAL filmes de arte e documentários. Tinha guardado o link e hoje sentei no computador para assistir a este documentário excelente de dois autores que amo. Foi uma delícia assistir, e fiquei com vontade de reler muita coisa que já tinha lido no ano passado de Capote e rever as peças/filmes baseadas na obra de Tenessee Williams que sempre foi um dos meus dramaturgos prediletos.]




quarta-feira, dezembro 07, 2022

Os mortos

os vivos morrem logo
são os mortos que morrem devagar

são os mortos que seguem morrendo depois que os velamos, que os enterramos

passam-se dias, e ainda há fios de cabelo espalhados pela casa

passam-se meses, e ainda vemos o livro
o marcador guardando o fogo da última página lida

passam-se anos, e descobrimos na gaveta as palavras escritas, os papéis

são lentos, os mortos

são lentos
como é lento o amor

como é lento reconhecer uma letra, que nos faz pensar nas mãos
como é lento imaginar as mãos, que lembram o pulso
como é lento pressentir o pulso, que nos atravessa
como sangue

.

em uma hora de hemorragia intensa os vivos perdem todo o sangue dos seus corpos

os mortos no entanto se demoram, habitam a casa pelo meio
no mênstruo das mulheres, no silêncio partilhado entre mãe e filha
entre duas irmãs

.

e topamos com seus rostos através de outros rostos

não só os da família, mas também daqueles que cruzam por nós na rua
e que não conhecemos

.

sempre acabamos encontrando nossos mortos por aí
eles acham jeito de voltar
de permanecer

eles acham jeito de surgir num sorriso
na cor que certos olhos assumem em tardes mais luminosas
num gesto breve
qualquer

os mortos, os mortos
tão vivos

---

mar becker 
em: "os mortos", série em trabalho; este excerto, de "a mulher submersa"

domingo, dezembro 04, 2022

Por assistir esse Aftersun

Aeon Santos - Noturno 2022

Silêncio, de Ignácio de Loyola Brandão

Lula 2023, por Laerte

Um Brasil

Vecna

Luks 2022

Solano Trindade


Em 1944, Solano Trindade, este da 1ª foto, operário, pintor, cineasta e  poeta pernambucano era preso por denunciar a fome. Por denunciar a fome no Brasil em um poema. Preso!
Nem vou citar Josué de Castro ou Celso Furtado. Não vou.
Em 2022 diante de um Brasil com 33 milhões de famintos, jogadores brasileiros, a maioria pretos, como Solano, foram a um restaurante onde pagaram R$9 mil Reais em um pedaço de carne, supostamente embrulhado em folhas de ouro. Uma ostentação nojenta e desnecessária.
Eis o poema que levou Solano à prisão para quem não o conhece (Preâmbulo da Gilvania Dias ):

"Tem gente com fome

Trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
pra dizer
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome

Piiiii

estação de Caxias
de novo a dizer
de novo a correr
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome
Vigário Geral
Lucas
Cordovil
Brás de Pina
Penha Circular
Estação da Penha
Olaria
Ramos
Bom Sucesso
Carlos Chagas
Triagem, Mauá
trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
parece dizer
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome
Tantas caras tristes
querendo chegar
em algum destino
em algum lugar

Trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
parece dizer
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome

Só nas estações
quando vai parando
lentamente começa a dizer
se tem gente com fome
dá de comer
se tem gente com fome
dá de comer
se tem gente com fome
dá de comer
Mas o freio do ar
todo autoritário
manda o trem calar
Psiuuuuuuuuuu".

sábado, dezembro 03, 2022

Sobre o documentário Racionais MCs

Coluna do Mario Sergio Conti na Folha de hoje, p. C7.

DENÚNCIA E DIVERSÃO
Um filmaço com os Racionais propaga a arte dos pretos pobres da periferia 

“Racionais MC’s: de São Paulo para o Mundo" é um documentário imperdível para brancos azedos da classe média playboy. Imperdível para quem, na música popular, se deleita com João Gilberto e uns poucos satélites a seu redor. Imperdível para quem ignora a perifa pobre e preta.

O filme de Juliana Vicente, na Netflix, acompanha 30 anos da labuta dos Racionais. Exibe feridas e fraturas dos de cabelo crespo e pele escura e dura, dos que saíram à procura da cura e hoje dizem à bruta: "Eu era a carne e agora sou navalha". O baguio é doido. E doído.

Nem por isso o filme apela para os baixos instintos humanistas da plateia, levando-a a se condoer da exploração sofrida pelos Racionais, como nos tempos em que Mano Brown descarregava caminhões num supermercado na avenida Brigadeiro Luís Antônio.

Juliana Vicente demonstra que neguinho que carrega caixas, e do qual nem notamos o rosto, ou motoboy mal encarado que traz pizza, pode ser um artista sublime, alguém mais inteligente, mais virtuoso, melhor que você — e não tem água quente no chuveiro da quebrada onde mora.

Como milhares e milhares de minas e manos, os Racionais estavam fadados a essa sina até que um dia estrebuchassem numa fila do SUS no Capão Redondo, esbagaçados pela sociedade brasileira, tão brejeira. Ou então, como eram invocados, a caírem crivados de balas numa treta com a PM.

Saíram com tudo da lama para a fama, contudo. Vistos por uma câmera no teto, se debruçam sobre o mapa de São Paulo como se planejassem ir de busão de Sapopemba à avenida Paulista. Depois, anotam num mapa-múndi a rota de suas turnês à Europa, ao Japão e aos Estados Unidos. É nóis na fita.

"De São Paulo para o Mundo" não celebra essa trajetória. Não a considera uma vitória individual de Ice Blue, Edi Rock, KL Jay e Mano Brown, que teriam triunfado porque tramparam duro, já que o Brasil é top em mobilidade social. É o avesso, tá ligado?

O filme diz que os Racionais expressam a periferia brava. Só existem porque aí, ali, acolá e alhures, há trilhões de jovens condenados à opressão, ao racismo, às porradas e à penúria escrota. O talento dos músicos está em dar forma ao desespero vida lôka dos negro drama.

Como seu desespero não é suave, os Racionais são brigões. Seus inimigos não são a playboyzada dos cafofos massa da Faria Lima nem os vacilões dos gabinetes trash do Congresso e do Planalto. Seus oponentes são os paus-mandados dos dois clãs: a polícia.

Por isso, os Racionais e Juliana Vicente metralham à queima-roupa: "Não confio na polícia, raça do caraio. Se eles me acham baleado na calçada, chutam minha cara e cospem em mim. Eu sangraria até a morte, já era, um abraço!".

É papo reto. O documentário mostra sequências em que a PM desce o pau nos fãs dos Racionais. E não só neles: "Vão invadir o seu barraco, é a polícia! Vieram pra arregaçar, cheios de ódio e malícia, filhos da puta, comedores de carniça". Na moral, é bonito isso, véio?

Para responder essa questão é preciso ir além da estética, admitir que o belo é um conceito custoso, às turras com a política e a história. O som do grupo, por estar a anos-luz das harmonias usuais da canção brasileira, parece rombudo para quem está imerso noutras tradições, noutra classe.

A arte está escancarada nas letras. Elas falam do PCC, de "uma mina morta e estuprada", do IML, de desemprego, de um três-oitão, de linchamentos, de "mais um pretinho na Febem", da "molecada que vai na escola só para comer" (aliás: para os casos terminais de alienação prosódica, convém pôr legendas no filme. Funcionou comigo).

Os Racionais fazem música de denúncia e protesto, mas não só. Ela é também divertimento, mobiliza milhares de corpos que cantam e dançam nos seus shows. Eles mimetizam as atitudes do grupo: braços em riste com punhos cerrados, cara feia, posturas hieráticas, humor zero. A alegria é a de palco e plateia estarem na mesma vibe. Mó função.

Assim como um neófito no rap julga a arte dos Racionais, a arte deles julga o neófito. Evidencia o que há de automatismo na fruição estética; vê que o gosto tradicional ensurdece quem se depara com o novo; percebe que a simpatia pela revolta dos manos pode levar à condescendência.

O julgamento se estende aos Racionais, que criticam seu próprio percurso. Analisam a tensão entre sua pobreza inicial e o enriquecimento, entre os erros que cometeram e as correções de rumo que a arte lhes impôs. Como os manos, continuam inconformados e dizem: tamo junto.

Os 9 tipos de pensamentos

 Os 9 tipos de pensamentos de acordo com a psicologia são os seguintes:


Pensamento reflexivo

Pensamento crítico

Pensamento analítico

Pensamento lógico

Pensamento sistêmico

Pensamento analógico

Pensamento criativo

Pensamento deliberativo

Pensamento prático


Tipos de pensamento na psicologia: reflexivo, crítico e analítico

Qual é a utilidade de conhecer esses 9 tipos de pensamentos? Uma vez que os pensamentos influenciam nossas emoções e, portanto, nossas ações e a maneira como vivemos, isso nos ajuda a nos conhecer e compreender melhor.


Pensamento reflexivo

Esse tipo de pensamento foi exposto por um dos maiores estudiosos norte-americanos, John Dewey, em seu livro: “como pensamos”. Neste livro, reconhece os seguintes valores no pensamento reflexivo: facilita uma ação sistemática, orienta nossas ações para um objetivo de maneira consciente, facilita o controle entre o pensamento e a ação e nos encoraja a procurar o significado de nossas ações ou das situações.


O pensamento reflexivo, de acordo com Dewey, refere-se às diferentes maneiras pelas quais as ideias ou as situações podem ser representadas e expressas, o qual nos ajuda a aumentar a consciência sobre nossas próprias ações. Em resumo, podemos dizer que esse tipo de pensamento nos ajuda a planejar de maneira ordenada e da forma mais consciente nosso comportamento de acordo com nossas expectativas.


Pensamento crítico

O pensamento crítico refere-se à investigação, à análise e à avaliação do conhecimento, revelando as diferentes realidades que podem estar ocultadas atrás da realidade, fazendo-a de maneira lógica. Pode-se dizer que o que o pensamento crítico faz é enfrentar à realidade em todas suas dimensões (a realidade como queremos que seja, a realidade como todos vemos, a realidade no presente e no passado). Portanto, esse tipo de pensamento, embora não possa nos permitir afirmar qual é a realidade, permite afirmar que está em algum ponto entre aqueles que se entrelaçam todas as realidades.


Pensamento analítico

Esse tipo de pensamentos nos ajuda a entender melhor uma situação, classificando e/ou organizando a realidade para que possamos processá-la da melhor maneira. As pessoas que adotam esse tipo de pensamento tendem a ter suas ideias bem claras e definidas, pois fazem uma análise exaustiva e reflexiva sobre um problema ou situação. Isso é conseguido dividindo o problema em partes ou em categorias, as quais são analisadas para obter uma boa solução.


Tipos de pensamentos na psicologia - Tipos de pensamento na psicologia: reflexivo, crítico e analítico

Tipos de pensamentos: lógico, sistêmico, analógico e criativo

Definimos os seguintes tipos de pensamento como a capacidade para compreender, ordenar e criar as ideias que passam por nossa mente. Você quer saber mais sobre esses tipos de pensamento? Então, anote as seguintes definições:


Pensamento lógico

Esse tipo de pensamento é baseado na expressão das ideias de maneira ordenada, o que pode nos levar a nos convencer que temos razão. As pessoas que adotam esse tipo de pensamento são fundamentalmente baseadas nas regras que já estão estabelecidas por um sistema lógico. A ideia é poder comunicar a outras pessoas que as conclusões alcançadas correspondem à realidade ou não, com as expectativas do que poderia ser esperado. Em resumo, podemos dizer que o pensamento lógico é, acima de tudo, sobre a obtenção de novas ideias a partir daquelas que já possuíam, seguindo uma ordem lógica e precisa.


Pensamento sistêmico

Esse tipo de pensamento refere-se à capacidade das pessoas de compreender as relações que têm os diferentes elementos que compõem um sistema. Esse tipo de pensamento é aplicável à resolução dos problemas interpessoais, relações sociais, organizacionais, etc. pois estuda todos os elementos do sistema e da interação que existe entre eles.


Pensamento analógico

Esse tipo de pensamento é indispensável para quase todas as atividades humanas. Embora, à primeira vista pareça um pouco complexo, as pessoas tendem a usar constantemente as analogias em nossas vidas cotidianas. Quando pensamos de maneira analógica, estamos organizando nossas ideias com a finalidade de poder realizar comparações entre elas. Um exemplo disso seria o seguinte: “Os professores que ensinam à tarde são parecidos com os que ensinam pela manhã, portanto, ambos são igualmente dedicados”.


Pensamento criativo

Esse tipo de pensamento refere-se à produção de novas ideias, novas experiências, novas realidades, pois as pessoas que adotam normalmente esse tipo de pensamento acreditam que tudo é possível, para que não sejam limitadas na hora de criar. As pessoas com esse tipo de pensamento são pessoas flexíveis e originais.


Tipos de pensamento deliberativo e prático

Geralmente, cada pessoa adota certo tipo de pensamentos de maneira habitual com os quais está mais familiarizada e que estão relacionados com a sua personalidade, no entanto todas as pessoas são capazes de aplicar todos os tipos de pensamento que existem para alcançar os resultados desejados. A seguir, definiremos os dois últimos tipos de pensamento de acordo com a psicologia:


Pensamento deliberativo

Esse tipo de pensamento refere-se ao modo como as pessoas tomam suas decisões. As decisões que a pessoa pode tomar não são tomadas apenas a partir da lógica, do cálculo ou do raciocínio, mas são tomadas principalmente a partir de certos critérios, valores pessoais, princípios éticos, normas já estabelecidas, etc.


Pensamento prático

O pensamento prático é um tipo de raciocínio responsável pela aplicação dos conhecimentos adquiridos de maneira mais simplificada e prática, para que, conforme cada um dos processos a seguir sejam estabelecidos e cumpridos, sejam obtidos os resultados desejados. O desenvolvimento deste tipo de pensamento é muito importante para desenvolver mais efetivamente nossas atividades da vida cotidiana e no local de trabalho.


Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.


Se pretende ler mais artigos parecidos a Tipos de pensamentos na psicologia, recomendamos que entre na nossa categoria de Psicologia cognitiva.


Referências

Moya, J. M. O. (s.f.). Procesos cognitivos y tipos de pensamiento.