sexta-feira, outubro 13, 2017

Blade Runner 2040, de Denis Villeneuve


Como fazer a continuação de um clássico insuperável numa época de cinema pipoca e telespectadores preguiçosos para filmes que se recusem a ser frenéticos e banais. Aqui, o universo de Philip K. Dick grita em cada frame. As ambiguidades, os paradoxos, o futuro as questões filosóficas sobre o homem e o sentido da vida, a memória (e a história, que nos faz humanos) os limites da criação. 







Nenhum comentário: