segunda-feira, agosto 07, 2017

Wakefield, de Robin Swicord (2016)


O drama voyer Wakefield (EUA, 2017) é baseado num conto do escritor E.L. Doctorow.
Em crise de crise da meia-idade, só que aqui turbinada à enésima potência.

Howard Wakefield (Bryan Cranston) é um advogado bem sucedido, proprietário de uma bela casa nos subúrbios, marido de uma bela e dedicada esposa (Jennifer Garner), e pai de duas adolescentes que certo dia surta. Ao voltar certo dia para casa, Wakefield decide pregar uma peça na esposa (com quem brigara por ciúme) e permanecer no sótão situado na garagem em paralelo à janela de casa. Lá observa a rotina da família dias, meses, anos. Alimenta-se da comida que a esposa poe no lixo e gradativamente, isolado feito um ermitão, sujo e barbudo como um mendigo, remói o início do relacionamento, os pequenos rancores em relação ao trabalho, aos amigos e à esposa, que julga tê-lo aprisionado numa rotina banal. Wakefield ´tem um comportamento sádico, o filme transcorre com seus offs primeiro rancorosos e sarcásticos, contemplando da janela a aflição da esposa e julganto todos seus gestos, assim como de parentes e amigos. Seus monólogos interiores revelam o cafajeste e possessivo que é, desprezível nas amizade e repleto de preconceitos, beirando a psicopatia pelo prazer sádico de contemplar diariamente as angústias e dificuldades econômicas da esposa. O filme sai do realismo para se tornar uma fábula estranha do processo de ensimesmamento/introspecção do sujeito que se converte num ermitão rumo à ascese. Ao longo do processo vai se degradando, animalizando, mas as privações vai depurando (aparentemente) seu olhar sobre o mundo. Aprende que necessita de bem pouco para viver, ainda mais quando acolhido por dois jovens especiais (uma garota com retardo e um menino com sindrome de down). Essa depuração, contudo, não é plena, o desfecho, quando ele decide retornar à casa logo que percebe a possível perda da esposa para o antigo pretendente (um amigo que traiu) revela que segue sendo egoista e competitivo. 

Assisti hoje, 6.8.2017 com Gabriel e Mauro, em casa. 

Nenhum comentário: