quarta-feira, abril 12, 2017

Mulholland Drive, David Lynch



Uma jovem atriz viaja para Hollywood e se vê emaranhada numa intriga secreta com uma mulher que escapou por pouco de ser assassinada, e que agora se encontra com amnésia devido a um acidente de carro. Seu mundo se torna um pesadelo e surreal.




Reassisti ao lado do Gabriel. Rever uma obra-prima é renovar a leitura. A cena do teste para o filme segue ontológica. As obsessões de Lynch seguem as mesmas, todo o universo noir dos filmes dos anos 50, todo o repertório musical dos anos 60 e o estilo, as figuras bizarras, grotescas. A hipérbole na expressão dos sentimentos, a passionalidade, a proliferação de fusões que sintetizam a projeção do real com o imaginado. O clima oníricos (ou de pesadelo) que prepondera. O humor estranho, um humor negro. A câmera flutuando em travellings pelos espaços. O cinema focando o próprio cinema. A exposição de um filme inicial (criado no imaginário da protagonista) como se este fosse a realidade, e a reversão, no meio do filme, para trama real. Muitos personagens entrando, muito mais para dispersar do tema fulcral: a história de amor degradada das duas mulheres. A presença de figuras fantasmagóricas, os sonhos premonitórios, as crises histéricas, o mistério, o salão, o palco circense/ou de cabaré, o anão; os números musicais. A trama policial com seus investigadores autistas, limítrofes, a presença de gangsters perversos, mórbidos, sádicos e truculentos. 

Em Mulholland Drive a verossimilhança é testada até o limite, já que ninguem age na previsibilidade psicológica. Rita/Camilla ao perder a memória se esconde na casa da desconhecida Betty/Diane que a recolhe em vez de expulsá-la, não procuram a polícia, fogem dela. São atraídas pelo perigo. O diretor de cinema quanto mais acuado, mais enfrenta os inimigos. Ao encontrar a esposa na cama com outro homem, é ela que o desafia e escorraça, para depois enfrentar capangas ferozes que invadem sua casa. 

Estranho. Um autor dos tempos atuais, quanto a religião virou mistificação e todas as coordenadas de verdade e certezas se esfacelaram. 

Nenhum comentário: