sexta-feira, dezembro 23, 2016

L'avenir, de Mia Hansen-Løve



O que está por vir. Em cartaz no Belas Artes. Baixei e assisti em casa. Nathalie (Isabelle Huppert) é professora de filosofia, tem dois filhos que pouco vê e um marido também docente, seu companheiro há 25 anos. Entre trocas de ideias com o pupilo anarquista, ligações insistentes da mãe solitária e piquetes de alunos, ela leva uma vida tranquila. Mas tudo está para mudar.  Interna a mãe numa clínica e esta morre, adota a gata Pandora, o marido a deixa para ficar com a amante mais jovem, perde o cargo de editora de coleção de livros, termina por desentender-se com o seu aluno predileto quando vai passar uns dias em sua casa-comunidade. 

Trata dos nossos tempos, do desencanto da política, das incertezas com o futuro, da contradição do que se ensina/das ideologias e a vida pequeno burguesa que se vive, do descrédito com a experiência, do revivel das utopias agora adaptadas ao próprio sistema.  Sem nostalgia e sem futuro, o vazio e o desencanto. E vive-se.

Nenhum comentário: