sexta-feira, outubro 14, 2016

Café Society, de Woody Allen





Entrei no filme não esperando nada, e ele vai seduzindo e encantando até tornar-se uma experiência de deslumbramento. Tudo funciona com perfeição, glamourizando hollywoodianamente cada uma das atrizes, que estão linda e fantásticas. Jesse interpreta um dos melhores alter egos de Woody, Kristen é estranhamente ambígua, Blake enche os olhos. O humor, a sagacidade, o encanto e desencanto desta história de amor que não se conclui, este fim de relacionamento que faz com que o amor, por não ter se realizado, não acabe. Woody mereceria um prêmio só pela fusão final, em que dois rostos, muitos distantes se unem, frustrados, pensando um no outro. Não há como não se comover.

Nenhum comentário: