quarta-feira, julho 13, 2016

Urgente, Cia Luna Lunera


Cheguei quinta, e na sexta fui com Jocelene ao CCBB-Rio para assistir a Urgente, da Cia. Luna Lunera, a mesma do espetáculo maravilhoso "Aqueles dois". O palco repartido em quatro quadriláteros a representar minúsculos apartamentos, onde vidas um tantos recalcadas se refugiam, interagindo na tensão de vidas com muitas memórias e poucos horizontes. Não combina com o Rio, que ama comédias leves e surperficiais. O teatro meio ocupado, nenhuma empolgação da plateia. Mas, tirando sacadas excelentes, como o prólogo, um texto poético instigante, muito do que se ve é um arrastar monótono de vidas comezinhas difíceis de seduzir o público e até mesmo de comovê-lo. Mas Cia. Lua Lunera é sempre bela em suas experimentações, com atores que se entregam. A peça termina chocha, com o desabamento anunciado já no início, as lacunas nos dramas - para evitar os cliches metodramáticos - também não propõem nada além de saídas, e os espetáculo termina - sim - faltando. E nem pude culpar o público carioca.





Nenhum comentário: