quinta-feira, julho 14, 2016

O sacrifício



Onde se vê aquela torre, havia uma casa vazia
Foi lá que eu tombei quando tentei salvar a minha pretinha
Digo pretinha mas ela era bem mais alta que eu
Um pobre pangaré metido a puro sangue, deu no que deu
Vendo tudo em preto e branco, eu ou ela, não vacilei
Por cima de quem quer que fosse eu passaria, até de um rei

Dei um pinote, arranhei os cascos no lajedo e me pus
Na frente da minha dama, feito um bravo e destemido andaluz
Ninguém encostaria um dedo na minha rainha de ipê
Morreria se preciso fosse só pra ela viver
O mundo desabou em mim, enfim, me pôs fora de combate
Mas meu sacrifício foi o início de um belo xeque-mate.


Daniel Galli
(lindamente cantado por Rhaissa Bittar)

Ouça aqui

Nenhum comentário: