sexta-feira, abril 08, 2016

Zootopia, Disney (2016)


Zootopia é aquela Disney com cara de Pixar, mas sem ir tão a fundo. Assisti no Marabá, com o Guino, e achei o filme uma beleza. É um trama policial bastante complexa para crianças, mas com personagens carismáticos, e com a famosa "mensagem" que liga o filme à tradição das fábulas de Esopo. Começa pelo desejo de uma coelha em ser policial e sair do interior para viver na grande cidade de Zootopia. Sem nunca abdicar a seu "sonho" ela chega a cidade um tanto ingênua, é tratada com desprezo (misoginia é pouco) pelo chefe e posta como guarda de trânsito responsável por multas. Então encontra uma raposa. Este encontro será fundamental para a evolução de ambos os personagens, que depois de peripécias, estarão unidos na investigação sobre o sumiço de determinados "predadores" que, encontrados, não se comportarão civilizadamente, mas como ferozes animais selvagens. Mas Zootopia, com a colaboração da equipe Pixar, vai um pouco mais além, mostrando sempre que algo se oculta sobre as aparências, nada é realmente o que parece ser, já que (hoje) ninguém de fato é confiável. Isto está na base da trama policial, um submundo de perversão nos subterrâneos da cidade a ser revelado, claro, com leveza e humor, mas de modo menos ingênuo do que costumeiramente visto em filmes infantis. No final, flerta com o a contemporaneidade, com questões como poder, política, mídia, ciência, misoginia, arbitrariedade - mas tudo num colorido pop que acrescenta leveza para tudo terminar, literalmente, numa rave festiva em que todas as tribos se fundem. Deliciosamente inteligente.




Nenhum comentário: