terça-feira, fevereiro 10, 2015

Paraísos Artificiais, de Marcos Prado


Paraísos Artificiais. Numa só semana as coincidências me levaram a ver na tv este filme que desprezei sem ver. E o espanto. Um filme belíssimo, com uma fotografia que acho a mais bela que já vi num filme nacional, atuações iluminadas, na contramão dos filmes favelas e boçais, indo para outro caminho. A trama classe média entedia, mas é um filme cheio de belezas, moderno, algo pop, mas com uma dose de melancolia. Extasiado da primeira à ultima cena com a beleza dos atores. Adorei a câmera, a direção hiper competente de Marcos Prado. Não problematiza nada, tem o cuidado de não ser moralista, investe no romance deslavado como forma de redenção. É fraco, mas o casal é belo e nos convence. Vale pela contramão de todas as bobagens Globofilmes (da qual eu achei que era filho) e pelo amor que demonstra na condução do filme. Já, figurino, câmera, fotografia, trilha: sim, nós no Brasil podemos fazer filmes bem sofisticados. 


Nenhum comentário: