terça-feira, janeiro 27, 2015

Cinema e algum desejo de reflexão


Nao tem meio termo. Ou se reflete criticamente antes ou depois, ou se diz q o filme eh "legal" enquanto se come um bigmac. Nenhum problema com o blockbuster, a coca, o bic se o sujeito tiver consciencia de todo esse jogo, ateh pra nao cair no discurso da supremacia yank, capitalista, protestante, branca. Achar q cinema bom eh so o americano, do espetáculo e da explosão, q cinema so serve pra entreter, ja eh um problema. Q querer reflexao eh chatice, arrogancia, qdo nao, desrespeito de intelectual contra o povo "bom pobre trabalhador" q merece gozar sem ser tutelado. O fracasso dos alunos em redacao e provas de escrita/redacao nao esta no oÇo com Ç, mas na ausencia do dominio do pensamento critico. A incapacidade de se ver como produto e agente da História, ou fazer uma leitura tosca e superficial dela. E sim, pra mim nao há entretenimento inocente, produto inocente. Nao há o q nao possa entrar em discussão. Os pobres conservadores aecianos, filhos do operariado; os evangelicos q atribuem prosperidade ao templo mitico de salomao. O cara q diz q vivemos numa ditadura gay-cubana. Essa gente toda carece sim de uma intelectualidade q tem vergonha de si. Talvez o coitadismo e o desprestigio absoluto do povo das Humanas tenha q compreender q anda rezando numa cartilha. Eu, utopicamente, quero pelo menos a consciencia de q esta cartilha esta la, domesticando ate a ausencia de pensamento. Temos tb nosso alcorao. Prefiro ambicionar o desmascaramento de toda e qualquer cartilha.

Nenhum comentário: