segunda-feira, agosto 11, 2014

Bem Brasil


Meu amigo Rafael Munduruca postou essa foto que fez na Mooca no Facebook. Explicou (no comment) que a fez saindo do metrô Belém "naquela ruazinha que a gente pega para vir pela Padre Adelino". E eu achei que isto é a coisa mais Brasil do mundo! Das cores, aos papagaios em par (como um casal meio entediado da estreita convivência), às flores no vasinho lembrando que há ainda um tropical amor neste falso inverno que faz na capital. Grita ainda mais Brasil, nesta bandeira-tapete, um tanto puída, mas dobrada como se tremulasse, num fundo azul clarinho, sobre a porta de entrada, oud e saída. Gosto do amarelo intenso quase abóbora dos produtos de limpeza. Gosto da o vidro canelado partido e da grade que do portão que ao mesmo tempo que fecha, abre o espaço para beleza. Há ainda esse verde amarelo da comigo-ninguém-pode ao carto, cor igual da caixa de correspondência, já se apagando, a mesma bicolor dos papagaios, dos ramos e da bandeira. O vidro ao fundo barra, mas quebrado, deixa-se se revelar e a gaiola branca abdicou por um instante seu poder de aprisionar. Tudo pobre e rico, delicado e físico, simples e rebuscado, prosaico e barroco. Um instantâneo espontâneo e poético que ele batizou com o título brilhante de "Bem Brasil". "Bem" de bondade, "bem" significando "muito" (pois o uso coloquial confere a expressão, valor de intensificação), e o sentido de "bem/bens", da "res", da coisa nossa, pertencente. Abolutamente Brasil. Como diria o velho Caetano, "um momento de puro amor".

2 comentários:

Casamada disse...

Perfeita análise da foto. Faltou apenas a observação da espada de são jorge, espantando o olho gordo da vida dos moradores.

Elizabete Matrone disse...

Incrível como uma simples foto tirada quase que ao acaso pode despertar tamanha inspiração... Parabéns aos dois que conseguiram captar a essência do lugar.