quinta-feira, abril 24, 2014

Princípio e fim, número Um

No dia em que o matariam, Santiago Nasar levantou-se às 5h30m da manhã para esperar o navio em que chegava o bispo. Tinha sonhado que atravessava um bosque de grandes figueiras onde caía uma chuva branda, e por um instante foi feliz no sonho, mas ao acordar sentiu-se completamente salpicado de cagada de pássaros. 

(...)

- Santiago, filho - gritou-lhe - que houve com você?
Santigo Nasar reconheceu-a.
- Me mataram, querida Wene - disse.
Tropeçou no último degrau, mas se levantou imediatamente. "Teve até o cuidado de sacudir com a mão a terra que ficou em suas tripas", disse-me tia Wene. Depois entrou em sua casa pela porta dos fundos, que estava aberta desde as seis horas, e desabou de bruços na cozinha.



Crônica de uma morte anunciada,
de Gabriel Garcia Marquez


Nenhum comentário: