domingo, março 02, 2014

Revelando Sebastião Salgado, de Betse de Paula


Documentário bastante convencional sobre um fotógrafo com uma vida nômade, aventurosa e incrível talento para plasmar questões humanas em p&b. Fotografia estranha do documentário, querendo se aproximar da tonalidade das fotos. Não funciona. Entrevistas ao estilo Coutinho, mas sem Coutinho, ou seja, sem Arte. Informativo (no sentido biográfico), rastreando algumas questões íntimas/pessoais, mas sempre só tangenciando ou melhor, arranhando a superfície de um homem/artista bem mais profundo. "Revelando" termina por não revelar, registro embaçado esquecível. Homem-ofício, cidadão-coerente, marido-fiel, cidadão-consciente, brasileiro-modelar. Onde alguma contraditória humanidade? O que nos faz redimencionar a grandeza de um filme como Nelson Freire, de João Moreira Salles (este sim, um cineasta potente). Vale como documento. 






Um comentário:

Anônimo disse...

É preciso ser grande para falar de gente grande.

Abraços, Eduardo.
TH. Mendonça