sábado, dezembro 28, 2013

Livros comprados (com alguma culpa) na feira de livros da USP

ATHELIE EDITORIAL


- Dora (contos), de Carlos Eduardo de Magalhães.

- Da criação ao roteiro - teoria e prática, de Doc Comparato

- A análise dos espetáculos, de Patrice Pavis.

- Lendo música - 10 ensaios sobre 10 canções (org. Arthur Nestrovski)

- Resíduos (contos), de David Oscar Vaz

- Tripé (contos), de Rodrigo Lacerda



- Mais ao sul (contos), Paloma Vidal

- Entre nós - contos sobre homossexualidade, org. de Luiz Ruffato

- Catálogo de luzes (Os meus melhores contos), de José Eduardo Agualusa

- Levantado do chão, de José Saramago

- Chamadas telefônicas, de Roberto Bolaño

- Cidade grande no escuro(contos), de Clara Averbuck

- Uma vida inventada - memórias trocadas e outras histórias, de Maitê Proença


EDITORA 34


- Garimpo (contos), de Beatriz Bracher

- Lady Macbeth do distrito de Mtzensk, de Nikolai Leskov

- Homens interessantes e outras histórias, de Nikolai Leskov

- A fraude e outras histórias, de Nikolai Leskov

- Aqueles cães malditos de Aquelau, de Isaias Pessotti

- Nova antologia do conto russo (1792-1998). org Bruno Barreto Gomide

- Golpe de ar, de Fabrício Corsaletti

- Triz, de Pedro Süssekind

- A história dos ossos, de Alberto Martins

- Lívia e o cemitério africano, de Alberto Martins

- Hotel novo mundo, de Ivana Arruda Leite

- Entre a literatura e a história, de Alfredo Bosi

- Essa mulher e outros contos, de Rodolfo Walsh

Osvald de Andrade no Metrô de SP








PACC - em Dezembro - Confraternização




 
Festa de confraternização de fim de ano na LETRAS/UFRJ, reunião do PACC e da Universidade das Quebradas em coquetel, palestras, lançamento de livros, performance, filme e debates. Principalmente, encontro com amigos queridos.







Masters of sex


Série nova, comecei ontem.

Foto publicada pelo Buruga no Facebook


Radiante.

Vi no Facebook, achei chique, roubei.


sexta-feira, dezembro 27, 2013

LIVROS COMPRADOS DA COSACNAIFY

- Decameron, de Giovanni Boccaccio. 10 novelas selecionadas, org. Maurício Santana Dias e ilustrações de Alex Cerveny.

- Pier Paolo Pasolini, de Maria Betânia Amoroso

- Velórios (contos), de Rodrigo M. F. de Andrade

- Marcelino Pedregulho, de Sempé.

- O filho de mil homens, de Valter Hugo Mãe

- João e os sete gigantes mortais, de Sam Swope (ilustrações de Carll Cneut)

- Opisanie Swiata, de Veronica Stigger.

- Contos para crianças impossíveis, de Jacques Prévert (ilustrações de Fernando Vilela)

- Charlie Malarkey e a máquina de umbigos, de William e Brendan Kennedy (ilustrações de Jaca)

- Ar de Dylan, de Enrique Vila-Matas

- Teatro do oprimido e outras poéticas políticas, de Augusto Boal.

- Antologia da literatura fantástica, de Adolfo Bioy Casares, Jorge Luis Borges e Silvia Ocampo

- Uma viagem pessoal pelo cinema americano, de Martin Scorsese e Michael Henry Wilson.

- Na escuridão, amanhã, de Rogério Pereira.

- A espuma dos dias, de Boris Vian

- Redemoinho (contos), de Paulo Rodrigues

- Copacabana Dreams (contos), de Natércia Pontes

- A fera na selva, de Henry James

- A bicicleta epiplética, Edward Gorey.

- Os animais de todo mundo, Jacques Roubaud (ilustrações de Fefe Talavera)

- Raul Taburin, de Sempé

- Passaporte, de Fernando Bonassi

- Exploradores do abismo (contos), de Enrique Vila-Matas

- Bartleby e companhia, de Enrique Vila-Matas

- Cantiga, de Blexbolex (Bernard Granger)

- Eduardo Coutinho, de Milton Ohata (org.)

- Meu Kafka, textos de Kafka (ilustração de Stefanie Harjes)

- Conversas com Kubrick, de Michel Ciment

-

O primeiro natal do Vittorino
























Dois filmes brasileiros necessários



E eu me pergunto, por que nunca restauraram A hora e vez de Augusto Matraga, de Leon Hirzman ou Vereda da Salvação, de Anselmo Duarte. 

quarta-feira, dezembro 25, 2013

FELIZ NATAL, BABY


Não entendo o súbito rancor de tanta gente neste final de ano. Gente querida, que sempre julguei inteligente, de repente usando o Natal não para declarar-se ATEU, mas para ZOMBAR dos que tem fé/crença, como se isso tornasse cristãos/católicos/etc estúpidos ou indignos, fato que me enche de vergonha. Outros, com o velho discurso de ser invenção do COMÉRCIO, para VENDER produtos, data sem significação, sem encontro REAL de familiares ou pessoas que se amam e se queiram presentear. Se o ultraje é tamanho, que tal fazer o que faço? não dê presente, dê a presença. E se sua família, amigos, família não valem a pena, presentei-os com sua ausência, mas poupe os demais de seu rancor. Se este período não te serve ou te agride de algum modo - e você justifica por se tratar de um dia como outro qualquer (e é de fato) e todos não perceberem, a não ser você - seu ego realmente é demasiado. SE você se julga um iluminado ante um mundo de pessoas estúpidas, é você que está com um problema, mas fique tranquilo, nada que não se resolva com terapia. Na verdade, o que você realmente está precisando é de alguém que te queira próximo e que veja em você uma pessoa de algum modo especial, que te queira preparar um bom jantar, só para te fazer feliz. E quiça pense em dar-lhe algo que você mereça, sempre quis, e muitas vezes nem percebeu que desejava. Ou você precisa simplesmente se sentir querido. Talvez baby, neste Natal, você só esteja precisando mesmo é de um pouco de AMOR, essa palavrinha tão gasta nas canções mais bregas, nos poemas mais toscos, nas autoajudas mais babacas, mas que parece significativo e luminoso e fazer todo sentido quando recebemos de alguém. É o que desejo-lhe, baby, sem embrulho, fita, sem Papai Noel. Um feliz Natal.

segunda-feira, dezembro 23, 2013

Strange fruit, com Billie Holiday

Um pseudo poema de Mário Quintana


Não sei se é do Mário Quintana, pois achei na internet. Mas que é uma boa frase, isto é.

E eu estive no Rio

 Com Jocelene, no CCBB.

Com Jocelene e Janete, 21.12.2013.

Na Confeitaria Colombo, com Jocelene.


Na Lapa, naquele boteco que serve galetinhos.

Livro de dieta com uma pitada de ironia


Janete anda inventando.

As belas meninas da família


Aí estão elas, as meninas da família - Diene e Patrícia, - que agora também tem suas meninas - Gabriela e Nicole. O espantoso tempo que tudo muda.


Patrícia com Diene no colo.

HQs, indo mais fundo na análise do país


Ironia crônica.

Billie Holiday - Lady sings the blues


Billie Holiday: the lady sings the blues (biografia), com a colaboração de William Dufty, da Jorge Zahar Editor

Comprei numa banca de jornal do Rio, na Cinelândia. R$ 25,00. Extraordinário, em todos os sentidos. 

Filmes

Filmes em português ou dublados do blue ray


http://www.thepiratefilmes.com/

sexta-feira, dezembro 20, 2013

Tempos e misturas


Na USP, Cinema das Quebradas, com Thais e Heloísa.




Na exposição no CCBB - Infinita Obsessão, com Jocelene, no Rio de Janeiro.