domingo, setembro 08, 2013

Olympus has fallen ou Da alegria da chacina


Tomaram a Casa Branca. Aaron Eckhart é o presidente. Morgan Freeman o comandante das forças armadas. Chinas/coreanos/árabes/russos (uns desses) terroristas querem jogar mísseis nucleares nos EUA, produzir o cataclisma, levar fome, miséria, morte: destruição aos americanos. Gerard Butler é o segurança do presidente que deixou a primeira dama morrer num acidente, por isso na geladeira. Todos os seguranças morrem, mas ele penetra a Casa Branca e salva o mundo com o dedo indicador no último segundo. Uma bobagem com os sempre mesmos tiros e mortes. Um tanto mais violento que o usual, - pois tudo fica cada vez mais violento no cinema americano; - e o tom épico e o som ensurdecedor anestesiam a razão e atiçam os sentidos primários do espectador pacificado. Tem a eficiência das montanhas russas. Findo, nada fica no sentido mais profundo, ético, espiritual etc; coisas que um filme deste gênero não aspira a alcançar. Ele nos diverte com a pirotecnia da chacina, que é estranhamente divertida a nós animais humanos, que gostamos (sem intelectualizar o porquê) de contemplar a morte e a dor do outro. De mais, é a velha idiotia: a patriotada gasta, paranoica, histérica, vazia. Filmes como estes parecem um divertimento inócuo, mas cavam camadas profundas e fazem toda violência parecer desde a nossa mais tenra idade "aceitável" (não disse natural) e inócua; como se aquilo que vemos na tela fosse mesmo só um filme, e não colabore para construir um imaginário, uma "visão de mundo" na qual o destruidor/assassino é admirável e todo opositor é um "insano". Acho que também esses filmes possam ser interessantes de serem "apreendidos intelectualmente", compreendidas as camadas subjacentes, ideológicas, simbólicas etc. Sem defendê-los, não recuso sua existência; estranhamente agem em muitos de nós como um pesadelo, eles nos esvaziam o ímpeto da violência. Mas não deixa de ser contraditório o fato de também, filmes como este nos fazem menos humanos. 

Nenhum comentário: