quarta-feira, dezembro 12, 2012

Vinco, de Caetano Veloso

Eu que me posto exato entre teus lados
Determino teu centro, sou teu vinco
Finco o estandarte em teu terreno tenro
Em teu terreno tenro, em teu terreno

Tu de par em par e essa passarela
Da veia de tua fronte até o vazio
Entre teus pés, teus pés outrora doces
Hoje amargados de asperezas-passos

Ásperos passos, pássaros sem fio
Que obrigas-te a evocar em danças-ansas
Danças que danças e lanças pra longe
De mim, de mim, de mim, de mim, de mim

Mesmo assim fundo o império no teu meio
China, gaúcha pampeira, prenda minha
Palavras castelhanas, lhanas, lhanas
As terras tenras, pés de terra e fluidos

Terra que sente o próprio gosto, terra
Vermelha e rosa de pétala íntima
Mas terra onde eu hasteio uma nação
De desfazer-me eu meu, eu, eu, eu, eu (2x)

Terra que sente o próprio gosto, terra
Vermelha e rosa de pétala íntima
Mas terra onde eu hasteio uma nação
De desfazer-me eu meu, eu, eu, eu, eu

Caetano Veloso


[Para quem não entender do que trata esse blues lânguido, quase monótono ou cheio de enlevo do novo cd do Caetano, Abraçaço, vai a dica:

"A origem do mundo", de Gustave Courbet

[Outro lance, é mais uma música dedicada a uma musa. As referências à bailarina e a palavras espanholas estão, claro, relacionados a sua atual namorada bailarina e atriz argentina Natália Mendez com quem ele se relacionava no momento. Mais um objeto para estudar o sexo na canção MPB] 

Nenhum comentário: