sábado, julho 30, 2011

Nada - ninguém

Foi em 1984. Uma desconhecida, chamada Mâkhi, me pediu por telefone para ir ao apartamento onde moravam duas irmãs que a "adoravam" e que morreram ali, com seis meses de intervalo, aos noventa anos. Mâkhi herdou suas roupas, mas já fazia um ano que adiava aquela visita a um lugar assombrado pela decrepitude, pela morte e seus fantasmas. Então, fui no lugar dela. Fotografei a casa abandonada, para lhe oferecer imagens daquilo que tinha medo de ver. Pedi para ficar com o retrato delas e com algumas agendas.


Na agenda de 1980, no dia 25 de dezembro, estava escrito: "Não vi nada - ninguém"; e em 1981: "Natal - nada."

Histórias reais. Sophie Calle. Agir Editora. 2008. p.35

Sophie Calle

Nenhum comentário: